segunda-feira, 22 de maio de 2017

corro para vencer

Conceição foi emigrante na Suiça. Aos 50 anos de idade voltou para Portugal e, apesar de nunca ter sido atleta, alimentou uma paixão pelo atletismo. Dos 51 aos 60 anos correu 30 maratonas em todo o mundo, tudo pago com o seu próprio dinheiro. Começou tarde, sem treino e sem patrocínios. Mas nada disto a desmotivou. Ela perseguiu este sonho e não se deixou abalar por nada. Tem alcançado bons resultados em prova e ninguém abranda o seu ritmo.

Precisamos desta mesma determinação para perseguir os sonhos de Deus para nós! Quantas vezes nos deixamos abalar por meras opiniões, críticas e pressões ao nosso redor. Se cremos na Palavra de Deus, temos de crer que vale a pena correr até ao fim a corrida que Ele nos propôs. Não podemos desistir!

Nunca é tarde para começar a correr com Deus! O nosso treinador, Jesus, tornou a nossa tarefa mais simples quando morreu pelos nossos pecados! Ele comprou o nosso perdão e a nossa liberdade. Hoje não temos de carregar a culpa nos nossos ombros e andar cabisbaixos, nada disso! Fomos comprados por um preço muito alto, o sangue do Filho de Deus. Sabe o que significa isto? Que você tem muito valor para Deus! Ele agora leva as suas cargas. Endireite a cabeça! Olhe em frente! O futuro que Deus preparou para si é extraordinário. Há um prémio à sua espera! Portanto creia e corra para Ele e por Ele! Siga o exemplo de Paulo, o apóstolo de Jesus que dizia: "esqueço-me do que ficou para trás e esforço-me para atingir o que está diante de mim. Deste modo, caminho em direcção à meta para obter o prémio que Deus nos prometeu dar no Céu por meio de Cristo Jesus" (Filipenses 3.13,14).

Provérbios 12.24-27

quinta-feira, 4 de maio de 2017

Experimentando Deus no trabalho


Hebreus 11.1 - "Ora a fé é a prova das coisas que se esperam e a certeza das coisas que ainda não se vêem."

O director entrou no escritório do presidente da empresa depois de ter revisto todo o plano de publicidade para o próximo ano. O plano estava muito bem preparado! 

"Isto não serve!" disse o presidente. "Este plano descreve como vais conseguir estes objectivos através do teu planeamento. Estou certo que consegues alcançar estes objectivos através de negócios normais; no entanto, não deixaste espaço para a fé no teu plano. Precisas de ir para além daquilo que podes alcançar de forma natural." O que estava este presidente a dizer? Se tu e eu queremos experimentar o mover de Deus nos negócios a nível prático, devemos estar dispostos a confiar nEle para mais do que as nossas capacidades naturais podem cumprir. Deus gosta de mostrar-Se no meio das circunstâncias improváveis. É neste lugar que Deus recebe a glória. Deus sempre levou Israel a confiar nEle pelo sobrenatural. Desta forma a glória foi dada ao Pai. Não é diferente nas nossas vidas.

O mundo procura por fé real. Talvez tu sejas o instrumento que Ele quer usar para demonstrar a fé real no meio do mundo dos negócios. Isto irá requerer coragem, fé, e acção; também, irá requerer risco. Você arriscar suas finanças, reputação, e não ser compreendido. Este foi o risco de todos os líderes mencionados na Bíblia. É um risco que é digno de ser tomado. Estás disposto para ver Deus mover-Se nos teus negócios? Pede-lhe que te mostre o que Ele deseja que tu alcances.

quarta-feira, 3 de maio de 2017

Bilderberg, a verdadeira história

Mais que importante, Urgente!
Gostaria de partilhar consigo um livro excepcional que conta a verdade que está a decorrer nos últimos dias. Enquanto uns se casam e outros se dão em casamento, como diz a Escritura, coisas tenebrosas estão a acontecer...
Conhecerás a verdade e a verdade te libertará, disse o nosso Senhor.
Se desejas conhecer a verdade não deixes de ler este livro, não é ficção!
Quem pensa que o Anticristo é um mito ou algo distante, verá que as trevas já iniciaram a sua luta pelo controle da mente humana há muito.
Tudo está a acontecer como profetizou João em Apocalipse...
Não fiques de olhos fechados, dispõe-te a conhecer a verdade!

Se quiseres receber o livro, contacta-me!

crescer através do desânimo


"Agora, pois, Senhor, que espero eu?" (Salmos 39.7)

Aqui ficam quatro sugestões para o ajudar a sobreviver e a crescer através de momentos de agitação, tais como uma inesperada perda de emprego, a morte de um ente querido, um casamento falhado ou um grave problema de saúde:

1 - Admita a forma como se sente. Isso não significa que tem de ficar a afogar-se em negativismo; significa confiar em Deus o suficiente para reconhecer como realmente se sente. Fingir que as coisas estão bem quando não estão, faz com que seja mais difícil voltar a levantar-se. Todos passamos por tempos difíceis. O salmista pediu a Deus que o ajudasse a lidar com o desânimo (Salmos 42 e 43). E houve uma altura em que Paulo estava debaixo de tamanha pressão que dizia "Até da vida desesperámos" (II Coríntios 1.8).

2 - Identifique a fonte. O desânimo muitas vezes surge na esteira de algum revés ou de alguma desilusão. Alguma coisa que decidiu no seu coração se desmoronou? Será que as suas expectativas eram demasiado irreais? Alguém o desiludiu? Ou o seu desânimo vem de um sentimento generalizado de exaustão?

3 - Fale com um conselheiro de confiança. Salomão disse: "... quanto mais conselheiros sábios, melhores soluções" (Provérbios 11.14 MSG). Não deixe que o orgulho o impeça de se abrir com aqueles que poderão ouvi-lo com empatia e aconselhar sabiamente. Falar com as pessoas certas pode diminuir o seu sentimento de isolamento e também abrir caminho para que outros que também estão a sofrer possam fazer o mesmo.

4 - Esteja aberto perante Deus. Ele, não o destino ou as circunstâncias, é que escreve o último capítulo. Talvez Ele esteja a tentar ensinar-lhe algo ou a redirecionar as suas energias. David disse: "Agora, pois, Senhor, que espero eu? A minha esperança está em ti." Quanto a sua esperança está em Deus, Ele substitui o desânimo por confiança para que aquilo por que está a passar possa tornar-se um caminho para o crescimento espiritual.

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

o cristão e o carnaval

Quando nos aproximamos da celebração (para alguns) do Carnaval, pode-se questionar, porquê os cristãos não o celebram??? Será esquisitice nossa, será porque não gostamos de nos divertir? Claro que sim, que gostamos de divertir-nos mas não com coisas que põe em causa a nossa vida espiritual.

Há dez mil anos antes de Cristo, homens, mulheres e crianças, reuniam-se no verão com os rostos mascarados e os corpos pintados para espantar os demónios da má colheita. As origens do carnaval têm sido buscadas nas mais antigas celebrações da humanidade, tais como as Festas egípcias que homenageavam a deusa Isis e ao Touro Apis. Os gregos festejavam com grandiosidade nas Festas Lupercais e Saturnais a celebração da  volta da primavera, que simbolizava o renascer da natureza. Mas num ponto todos concordavam; as grandes festas como o carnaval estão associadas a fenómenos astronómicos e a ciclos naturais. O carnaval caracterizava-se por festas, divertimentos públicos, bailes de máscaras e manifestações folclóricas.

O carnaval na idade média era uma festa que combinava desfiles, enfeites, festas folclóricas e muita comida que é comumente mantido nos países católicos durante a semana que precede a Quaresma. Carnaval, provavelmente vem da palavra latina «carnelevarium» (eliminação da carne).

Isso era apenas um pretexto para que os romanos e gregos continuassem com suas comemorações pagãs, apenas com outro nome, já que a igreja Católica era quem ditava as ordens na época e não era nada ortodoxo manter-se uma comemoração pagã em meio a um mundo que se dizia cristão.

Os carnavais alcançaram o pico de distúrbio, desordem, excesso, orgia e desperdício, junto a Bacchanalia Romana e a Saturnalia. Durante a Idade Média a Igreja tentou controlar as comemorações. Papas algumas vezes serviam de patronos, então os piores excessos eram gradualmente eliminados e o carnaval era assimilado como o último festival antes da ascensão da Quaresma.

A enciclopédia Glolier exemplifica muito bem o que é, na verdade, o carnaval. Uma festa pagã que os católicos tentaram mascarar para parecer com uma festa cristã, assim como fizeram com o Natal. Os romanos adoravam comemorar orgias, bebedices e glutonaria. A Bacchalia era a festa em homenagem a Baco, deus do vinho e da orgia; na Grécia, havia um deus muitíssimo semelhante a Baco, seu nome era Dionísio, da Mitologia grega, este era o deus do vinho e das orgias.

A enciclopédia Grolier diz: «O bacanal ou bacchanalia era o festival romano que celebrava três dias de cada ano em honra a Baco, deus do vinho. Bebedices e orgias sexuais e outros excessos caracterizavam essa comemoração, o que ocasionou a sua proibição em 186 d.C.

Todas as mudanças no Carnaval ocorreram apenas em seus aspectos exteriores. A embalagem é cada vez mais bonita, mas o conteúdo continua o mesmo. A aparência do Carnaval é interessante, envolvendo diversão, alegria, beleza e arte. São qualidades reais e não vamos negar isso. Existem coisas bonitas e atraentes no Carnaval, mas isso não significa que vamos participar dele. Dinheiro roubado também tem valor, mas nem por isso vamos aceitá-lo, caso nos seja oferecido.  Apesar da embalagem maravilhosa, o conteúdo do Carnaval é podre e pecaminoso.

Então, devemos nós cristãos, comemorar este tipo de festa? O que a Bíblia diz sobre isto?

Qualquer que se considera cristão deve concordar de que não devemos de modo algum estar ligado a este tipo de comemoração, porque... é uma comemoração de origem pagã, em homenagem a um falso deus, patrono da orgia, da  bebedice e dos excessos, na verdade um demónio; e essa festa alimenta as inclinações carnais do ser humana, contrárias à Palavra de Deus: “Porque o pendor da carne dá para a morte, mas o do Espírito, para a vida e paz; por isso o pendor da carne é inimizade contra Deus...Portanto, os que estão na carne não podem agradar a Deus...Porque se viverdes segundo a carne, caminhais para morte; mas, se, pelo Espírito, mortificardes os feitos do corpo, certamente, vivereis” Romanos 8.6, 7,8,13.

Não podemos nos esquecer que, por trás da realidade natural, está a realidade espiritual. Os demónios actuam de forma intensa no Carnaval, conforme pode ser conferido até mesmo em depoimentos de pessoas envolvidas com os cultos pagãos..

"Ai dos que se levantam pela manhã e seguem a bebedice e continuam até alta noite, até que o vinho os esquente! E harpas e alaúdes, tamboris e gaitas, e vinho há nos seus banquetes; e não olham para a obra do Senhor, nem consideram as obras das suas mãos. Portanto, o meu povo será levado cativo, por falta de entendimento; os seus nobres terão fome, e a sua multidão se secará de sede. Portanto, o inferno grandemente se alargou, e se abriu a sua boca desmesuradamente; e para lá descerão o seu esplendor, e a sua multidão, e a sua pompa, e os que entre eles se alegram. Então, o plebeu se abaterá, e o nobre se humilhará; e os olhos dos altivos se humilharão” (Isaías 5.11-15).

"Porque tudo o que há no mundo, o desejo mau da carne, o desejo mau dos olhos e a soberba da vida, não é do Pai, mas do mundo." (I João 2.16)

guerra ou paz

Qual é a situação ideal: que todos se compreendam e vivam em paz ou que vivam em guerra uns com os outros? É óbvio que qualquer pessoa no mundo responderá: paz! Ainda assim, apesar de todos querermos a paz, o mundo está cheio de conflitos e de guerras. Por que será que a humanidade pratica algo que todos, de forma generalizada, condenam?

No início da Criação, o Homem vivia em perfeita harmonia com Deus e consigo próprio. Um dia, tomou uma decisão errada de desobedecer a Deus e de não ser dependente dEle. Como consequências, perdeu a paz com o seu Criador, conheceu o medo e começaram os conflitos dentro de si. Tornou-se escravo do pecado e desencadeou disputas e inimizades. "Ama o Senhor teu Deus com todo o teu coração, com toda a tua alma, com todas as tuas forças, e com todo o entendimento. E ama o teu próximo como a ti mesmo" (Lucas 10.27). Este era o desejo de Deus, mas o Homem começou a fazer tudo ao contrário. Penso primeiramente em mim, depois no meu próximo e um pouco em Deus, principalmente quando as coisas não correrem bem. O meu orgulho coloca Deus de lado e o meu egoísmo coloca o meu "eu" em primeiro lugar.

Como sair deste ciclo e voltar à paz com Deus? Primeiro preciso reconhecer que preciso de Jesus para me livrar do mal. Depois, peço-Lhe perdão e dou-Lhe o primeiro lugar na minha vida. A paz que vou encontrar em Deus vai curar-me interiormente e permitir viver uma relação mais justa com as outras pessoas.

Texto auxiliar: Tiago 4.1-10

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

vontade de Deus - 5

"... porque não busco a minha vontade, mas a vontade do Pai que me enviou" (João 5.30).

Este é o último princípio bíblico para reconhecer e caminhar na vontade de Deus: quando o sinal ficar verde, siga! Se está no ramo das vendas, é crucial saber quando fechar o negócio. Muitas vezes, os principiantes perdem a venda por exagerarem. Apresentam o produto e mostram como pode suprir as necessidades dos clientes. O preço está justo e o cliente está pronto para comprar, mas o novato continua a "vender" até que o cliente fica desconfiado e ele perde a venda. Saber quando "fechar" é essencial. é importante ter um objectivo preciso, mas é preciso saber quando premir o gatilho. Confie nos passos que deu e siga em frente, caso contrário acaba por ficar preso num ciclo de dúvidas. A certa altura na sua busca da vontade de Deus, tem de dar aquele decisivo, e muitas vezes, intimidante, próximo passo. Todo o estudo, oração, discussão, pesquisa, verificação e reverificação são inúteis se não agir. Toda a fé que há no mundo irá falhar se parar quando estiver prestes a fazer algo (Tiago 2.17,18).

Aqui fica um teste de último minuto:
1 - Entregou a sua vontade a Deus?
2 - Está a servir fielmente onde Deus o colocou?
3 - Está disposto a fazer o que Ele revela?
4 - tem recebido e acreditado nos sussurros do Espírito?
5 - Está confiante no Seu poder para cumprir as Suas instruções? 

Passou? Então é tempo de seguir em frente! Não espere até se sentir destemido. Dê esse primeiro passo, esse primeiro passo assustador. Siga o seu caminho com ousadia, e o medo irá perder a sua capacidade de o controlar ou de o paralisar. Quando o sinal fica verde, os recursos de Deus estão disponíveis para fazer o que tem de fazer. Agora é o momento para seguir!